null: nullpx
atividade física-Tasaudavel

O que é vigorexia, o distúrbio vivido pelo Rio de “La Casa de Papel” na adolescência

Publicado 4 Set 2019 – 04:56 PM EDT | Atualizado 4 Set 2019 – 04:56 PM EDT
Compartilhar

O ator Miguel Herrán, o Rio da série “La Casa de Papel”, revelou recentemente que viveu um transtorno dismórfico corporal chamado vigorexia durante sua adolescência.

Em entrevista à versão espanhola da revista “Men’s Health”, o protagonista da produção da Netflix contou um pouco sobre como era a relação com o corpo.

Miguel Herrán: passado com vigorexia

Herrán ganhou prestígio mundial por seu trabalho desempenhado como um dos membros que assalta a Casa da Moeda da Espanha na série “La Casa de Papel”. O ator também é um dos protagonista da espanhola “Elite”.

Tido como galã em ambas as produções, o perfil sarado de Herrán é algo que ele cultiva desde cedo. Porém, não por motivos tão saudáveis.

No passado, o ator conviveu com a vigorexia, um transtorno de imagem que leva o indivíduo a se sentir insatisfeito com o corpo e praticar atividades físicas exageradamente para se sentir melhor - porém, a sensação de dever cumprido nunca chega, mesmo com o corpo musculoso.

Aos 13 e 14 anos, por exemplo, a musculatura extremamente desenvolta fez com que Herrán fosse apelidado por colegas de Conan, o Bárbaro - personagem interpretado por Arnold Schwarzenegger conhecido por seus enormes músculos.

Hoje em dia porém, a relação do astro com o corpo não é mais a mesma e ele se diz muito mais satisfeito com sua imagem.

“Agora, estou encantado com meu corpo. Não é perfeito, mas é meu templo e minha ferramenta”, declarou o ator na entrevista.

Vigorexia: o que é

A vigorexia é um transtorno dismórfico corporal, termo utilizado para quadros de saúde em que o paciente não se enxerga como é, e que leva a pessoa a se sentir descontente com o corpo.

O sentimento de insatisfação leva o indivíduo a pensar que sua imagem é de alguém fraco e pequeno, o que o faz praticar atividades físicas incessantemente em busca da hipertrofia.

O quadro é mais comum em homens, mas ele também pode ocorrer em mulheres.

Sintomas da vigorexia

O principal sintoma da vigorexia é a insatisfação com o corpo: ou seja, mesmo estando em ótima forma, a pessoa não se dá por satisfeita. Além disso, ela fica vulnerável a medidas que colocam em risco a saúde, como dietas restritivas e uso de anabolizantes. Os sinais incluem:

  • Insatisfação e vergonha do corpo
  • Obsessão por exercícios devido à aparência física
  • Dor muscular e cansaço constante
  • Irritação e agressividade
  • Depressão e insônia
  • Adoção de dietas restritivas
  • Aumento do ritmo cardíaco ao repousar
  • Falta de libido
  • Autoestima e confiança baixas
  • Ato excessivo de ver seu reflexo por espelhos
  • Comportamentos repetitivos, como olhar fotos de si mesmo várias vezes

Riscos da vigorexia

A vigorexia não é um quadro simples e pode causar complicações à saúde. Dentre eles, constam a deficiência de nutrientes, insuficiência renal ou hepática, doenças de circulação e lesões em músculos, articulações e ligamentos devido ao excesso de atividades físicas.

Em mulheres, o excesso de exercícios pode levar a problemas reprodutivos. "O metabolismo muda e, junto com ele, os hormônios também sentem os efeitos dos exercícios abusivos. O que acontece é que os níveis de estrogênio diminuem, enquanto os de testosterona aumentam. Essa combinação pode bloquear a ovulação e desregular a menstruação", explica o ginecologista Rubens Paulo Gonçalves.

Além disso, pessoas que sofrem com o distúrbio e recorrem ao uso do anabolizante estão suscetíveis ao aparecimento de doenças cardiovasculares, anemia, câncer de próstata e diminuição do tecido testicular, de acordo com o professor de educação física e fisiologista Gilberto Coelho.

Tratamento para vigorexia

Segundo a nutróloga Maria Del Rosario Zariategui de Alonso, membro do Departamento de Distúrbios Alimentares da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), é muito comum que vigoréxicos não reconheçam que estão com o distúrbio, sendo necessária a intervenção de familiares para o início do tratamento.

Os cuidados com o quadro envolvem, normalmente, acompanhamento nutricional e médico. Em alguns casos, é necessário uso de medicamentos. Além disso, seguir se consultando com um psicólogo também é válido neste caso.

Vale lembrar que não é preciso parar de treinar para tratar a vigorexia, mas readequar as atividades para que não haja excessos.

É importante salientar também que nem todas as pessoas com músculos proeminentes ou fisiculturistas são vigoréxicos - afinal, é possível atingir um shape sarado com um ritmo saudável de treino.

Relação com o corpo

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse