null: nullpx
câncer de mama-Tasaudavel

Componente do peixes e das nozes pode ajudar a prevenir câncer de mama, aponta estudo

Dieta e estilo de vida são conhecidos por contribuir para a redução de até um terço do risco da doença
Publicado 4 Ago 2022 – 12:23 PM EDT | Atualizado 4 Ago 2022 – 12:23 PM EDT
Compartilhar
Default image alt
Dieta rica em peixes e nozes pode prevenir câncer de mama Crédito: stefanamer/Fudio/margouillatphotos/iStock

De acordo com um estudo recente, há chances de certos alimentos ajudarem na prevenção contra um dos tipos de câncer mais comum em mulheres. Segundo a pesquisa, uma dieta rica em peixes e oleaginosas - especialmente as nozes - pode atuar na diminuição dos riscos de se desenvolver câncer de mama - e isso tem relação com certas substâncias presentes na composição destes alimentos.

Dieta rica em peixes, nozes e linhaça ajuda a prevenir câncer de mama


Em uma colaboração entre a Sociedade Norte-Americana de Menopausa e pesquisadores chineses, um estudo recente, publicado no periódico científico Menopause mostrou uma relação positiva entre certos alimentos e a incidência do câncer de mama. Segundo os resultados, os ácidos graxos poliinsaturados n-3 (conhecidos como PUFAs), podem prevenir este tipo de câncer - e, por sorte, a substância pode ser facilmente incluída na dieta.


Baseando-se em quase 1,6 mil casos, pesquisadores examinaram uma associação entre a ingestão de PUFAs - presentes em alimentos como peixes, oleaginosas (especialmente nozes), linhaça e vegetais folhosos - e os riscos de se ter câncer de mama. Além disso, segundo informou Chrisandra Shufelt, presidente da Sociedade Norte-Americana de Menopausa, mulheres também podem prevenir a doença incluindo no cardápio frutas, vegetais, fibras, grãos integrais e evitando produtos de origem animal e laticíneos que contenham muita gordura.

É preciso frisar, porém, que apesar de alimentos ajudarem a estabelecer um bom quadro de saúde de forma geral, eles não são capazes de curar doenças como o câncer, e ingerir os alimentos citados no estudo não elimina a necessidade de fazer exames periódicos para a detecção da doença.

Alimentação e saúde

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse