null: nullpx
bbb-Tasaudavel

Alimentação na xepa do BBB prejudica a saúde? Médica explica pontos de atenção

Rotina na xepa, que tem alimentos restritos, pode ser prejudicial ao organismo e requer acompanhamento médico.
Publicado 18 Abr 2022 – 04:39 PM EDT | Atualizado 18 Abr 2022 – 04:39 PM EDT
Compartilhar
Default image alt
Jessilane bateu recorde de tempo na Xepa do BBB 22 Crédito: Foto 1: Reprodução / BBB 22 / Globoplay / Foto 2: Globo / Sergio Zalis

Durante o confinamento, os participantes do Big Brother Brasil são divididos em dois grupos: o VIP e a Xepa. Para a segunda equipe, os recursos são mais escassos no jogo, sendo a alimentação restrita um dos principais desafios a enfrentar.

Alguns participantes passaram várias semanas sob restrições na Xepa. A mais recente foi Jessilane, que atingiu a marca de 12 semanas (equivalente a 70 dias) na Xepa, um recorde que pertencia a Babu Santana, que participou do BBB 20.

Jessilane "passou fome" na Xepa


Em entrevista ao "Mais Você" no café com o eliminado de Ana Maria Braga, Jessilane comentou como foi passar tanto tempo na Xepa. Ela e as amigas Linn da Quebrada e Natália, apelidadas de "comadres" pelos fãs do reality, acabaram passando muito tempo no grupo mais escasso.

Os pertencentes à Xepa contam com poucas "estalecas", a moeda de compra da casa, que é distribuída para os participantes conforme seus grupos. "Teve uma semana que a gente passou fome", revelou Jessi. "Pouca estaleca, mercado caro. E a gente podia fazer uma refeição no dia. (...) Fui dormir várias noites com a barriga roncando".

Para a professora, estar na Xepa não era só uma questão de comida, mas também de exclusão do grupo. "Era ruim porque eu lembrava: são sete semanas direto na Xepa, sete semanas que não ganho nenhuma prova, que não sou escolhida pra nada, então eram outros sentimentos".

Como funciona a Xepa do BBB?

A divisão em VIP e Xepa, feita desde 2008, funciona a partir das decisões de provas disputadas no reality. Quando há uma prova de liderança, o vencedor pode escolher quais participantes deseja incluir no seu grupo "VIP", que tem direito a alguns benefícios por uma semana.

Entre as vantagens, está o acesso a um cardápio elaborado e com maior quantidade de alimentos. Os que não são escolhidos para o VIP vão automaticamente para a Xepa, que conta com um grupo escasso de alimentos e quantidades menores de comida.

O cardápio da Xepa conta com alimentos como: arroz, feijão, macarrão, rabada, moela, fígado, língua, biscoitos, rapadura, lentilha, leite e ovos. Frutas e legumes são muito restritos, e não há muita variedade para incluir no cardápio.

A dieta da Xepa faz mal à saúde?


A dieta altamente restritiva da Xepa não é benéfica ao organismo, mas seus efeitos a curto e longo prazo podem depender do organismo de cada participante. Segundo a médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) Marcella Garcez, os principais problemas desse tipo de dieta são "a monotonia alimentar, a falta de nutrientes provenientes de vegetais e frutas e a presença de alimentos de alto índice glicêmico".

Alimentos como rapadura, goiabada, biscoitos e macarrão instantâneo são ricos em açúcares. Por isso, são rapidamente absorvidos e metabolizados pelo organismo, o que pode trazer consequências. "Essa dieta pode levar a hipoglicemia de rebote e sensação de mal estar como consequências".

A nutróloga enfatiza que se uma pessoa já tiver condições pré-existentes de saúde, os efeitos de um longo período de Xepa podem ser piores. "Se a pessoa já tiver deficiências de micronutrientes ou tendências a doenças metabólicas, como diabetes e dislipidemia, o período de três meses de dieta desequilibrada pode agravar o problema".

No caso de Jessi, que passou sete semanas consecutivas na Xepa, uma reorganização na alimentação pode colocar tudo nos eixos sem grandes consequências negativas para o organismo. "Se ela voltar a se alimentar com uma dieta equilibrada, variada e o mais natural possível, rica em proteínas magras, carboidratos complexos, gorduras boas, fibras alimentares, vitaminas, minerais e antioxidantes, ela pode não apresentar nenhuma consequência pelo tempo de restrição".

Vantagens e desvantagens no cardápio da Xepa


Colocando os pontos positivos e negativos da dieta da Xepa na balança, Marcella avalia que tanto na Xepa como no VIP, é importante que o participante saiba fazer boas escolhas alimentares para evitar deficiências e disfunções.

As carnes presentes na Xepa possuem proteínas de alto valor biológico, completas, porém, também concentram mais gorduras saturadas. Portanto, deveriam ser consumidas com moderação.

Entre os pontos positivos, a médica destaca a presença de "ovos, laticínios, cereais (como arroz) e as leguminosas, como feijão e lentilhas, que são fontes de nutrientes importantes".

Porém, a baixa densidade de micronutrientes essenciais, que adquirimos ao ingerir frutas, verduras e legumes, é um agravante. A falta de fibras e fontes de gorduras boas, como ácidos graxos e ômega 3, também é uma dificuldade.

"O excesso de açúcares é um dos maiores problemas desse padrão alimentar", alerta Marcella. "Além das questões nutricionais, a sensação de restrição, acompanhada da falta de prazer ao se alimentar, também podem levar a alterações do humor e desencadear distúrbios psiquiátricos — como ansiedade, depressão e transtornos alimentares — em pessoas predispostas".

Maus hábitos também podem afetar participantes do BBB


Além da alimentação defasada, outros fatores como baixa ingestão de líquidos, pouco exercício físico e sono irregular também podem impactar a saúde dos participantes do BBB.

"São questões que podem impactar muito a saúde física e emocional, principalmente porque existem grandes chances que os maus hábitos ainda acompanhem os participantes após a saída da casa", conta a médica. Por isso, o acompanhamento com profissionais de saúde é essencial para garantir o bem estar após a saída do confinamento.

A alimentação adequada, acima de tudo, é um dos pilares para manter a saúde em dia e evitar riscos. "Uma dieta desequilibrada é geralmente o ponto de partida das maiores causas de morte por doenças crônicas, metabólicas, cardiovasculares, inflamatórias, além de algumas degenerativas e neoplásicas", conclui Marcella.

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse