null: nullpx
patrocinado-Tasaudavel

Escapes de urina: 6 conselhos que vão mudar a forma como você lida com a condição

Publicado 28 Fev 2020 – 08:24 AM EST | Atualizado 28 Fev 2020 – 08:30 AM EST
Compartilhar

Um espirro ou um simples pulo podem ser motivo para um escape de urina no caso de pessoas que sofrem com incontinência urinária.

Como é difícil prever quando pode ocorrer um escape de urina, muitas pessoas passam a ficar com medo de realizar atividades comuns do dia a dia, além da vergonha de falar sobre o assunto. Mas, com algumas dicas, é possível reduzir o incômodo e lidar com essa condição sem deixar que atrapalhe a sua rotina!

Primeiro, é preciso entender melhor o que de fato acontece com o organismo e saber, principalmente, que é mais comum do que você imagina.

Para entender melhor a condição:

1. Você não está sozinha

Estima-se que 12 milhões de brasileiros sofram com os escapes de urina. Segundo dados da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), 35% das mulheres com mais de 40 anos e 40% das gestantes têm de lidar com a incontinência urinária.

A condição pode ser causada por diversos fatores: alterações do sistema urinário, enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, gravidez, alterações hormonais da menopausa, obesidade, tabagismo e efeito colateral de alguns medicamentos.

E não apenas as mulheres e idosos sofrem com a perda involuntária de urina. Diferentes motivos podem levar os homens a perder o controle sobre a própria bexiga. Além disso, crianças e pessoas mais jovens também podem ter escapes.

2. Condição não é limitação

Encarar aglomerações e ficar longe de um banheiro pode ser um desafio para quem tem incontinência. Porém, não precisa ser assim.

Atualmente, é possível encontrar diferentes produtos que vão aumentar a qualidade vida e o bem estar de quem precisa lidar com os escapes de urina. São absorventes femininos (exclusivos para incontinência e não os menstruais) e masculinos e roupas íntimas especiais que vão dar a liberdade necessária para a pessoa retomar o controle da própria vida.

3. Respeite o processo

A incontinência urinária tem tratamento! Em alguns casos, é possível controlar os escapes e até mesmo acabar com a condição. Porém, é preciso se atentar à causa da perda involuntária de urina.

O primeiro passo é se consultar com um especialista (ginecologista ou urologista). Depois, é dado início ao tratamento, que pode contar com fisioterapia e exercícios para a região pélvica até a realização de cirurgias. De qualquer forma, é preciso ter paciência para lidar com os escapes.

4. Cuide do seu corpo

A forma como cada um cuida (ou não cuida) do corpo também vai interferir na perda involuntária de urina. Os escapes podem fazer com que a pessoa se afaste das atividades físicas, mas manter uma vida ativa é uma das formas de controlar a incontinência. Por exemplo, alguns exercícios podem fortalecer o assoalho pélvico e contribuir para diminuir os episódios de escapes de urina.

Tomar cuidado com o que se põe no prato (ou no copo) também é importante. Alguns alimentos podem agir como irritantes da bexiga e precipitar eventuais perdas urinárias: álcool, cafeína, refrigerantes, adoçantes, alimentos ácidos e cítricos, entre outros.

5. Ciência e tecnologia são suas aliadas

Para além da descoberta de tratamentos cada vez mais assertivos no combate à incontinência urinária, a ciência e tecnologia são importantes para o desenvolvimento de produtos e acessórios que são essenciais para quem sofre com os escapes de urina.

O absorvente TENA Lady Discreet Mini Plus, por exemplo, é feito especialmente para mulheres com perda involuntária de urina. Ele absorve duas vezes mais que o absorvente menstrual, é desenhado para gotejamento e escapes, possui sistema para inibição dos maus odores da urina e proporciona sensação de pele mais fresca.

Já o absorvente TENA Men, desenvolvido exclusivamente para a anatomia do homem, oferece grande absorção, proteção durante o dia, conforto e sensação de estar seco.

Existe o produto certo para cada pessoa e para cada tipo de incontinência.

6. Nem tudo tem jeito, mas, para algumas coisas, tem

Nem todo mundo vai conseguir acabar com a incontinência urinária. Em alguns casos, os escapes de urina podem persistir. Porém, isso não quer dizer que a vida da pessoa não poderá mais ser como era antes.

É preciso procurar o tratamento adequado e utilizar os produtos certos para evitar o desconforto e situações desagradáveis. Além dos absorventes, roupas íntimas especiais e toalhas umedecidas ajudam a pessoa a se sentir mais confiante e levar uma vida normal.

Compartilhar
RELACIONADO:patrocinado-Tasaudavel

Mais conteúdo de interesse