Displasia mamária fez Priscila Fantin realizar duas cirurgias nos seios: entenda o problema

Usando seu perfil no Instagram, a ex-atriz Priscila Fantin revelou que, além de ter passado por um procedimento de redução das mamas há três anos, ela voltou a fazer uma cirurgia nos seios, desta vez para substituir totalmente o tecido deles por próteses. Segundo ela, a decisão veio após mais de 20 anos sofrendo de displasia mamária, tipo benigno de doença nos seios que, apesar de não oferecer grandes riscos à saúde, pode ser extremamente desconfortável.

Priscila Fantin revela cirurgias nos seios por problema de saúde

Em suas redes sociais, Priscila Fantin fez uma revelação aos fãs recentemente. Segundo a ex-atriz, ela foi submetida a uma cirurgia de redução das mamas há três anos e, agora, está se recuperando de mais um procedimento feito na região – tudo devido a um tipo de alteração funcional benigna da mama chamada displasia mamária, com a qual sofre desde os dezesseis anos de idade.

“Desde os 16 anos – estou com 39 – eu tenho displasia mamária. A cada menstruação, incha muito, fica dolorido, pesado, febril, então esse efeito sanfona, amamentando… E a forma como eu era relapsa aos cuidados comigo me deixaram de um jeito que eu não conseguia nem me olhar no espelho”, disse Priscila, que, apesar de ter relutado muito em realizar uma interferência estética, gostou dos resultados da redução de seios.

https://www.instagram.com/p/Cg9Qo23OShS/?hl=pt-br

A ex-atriz afirmou ainda que, após a cirurgia, certos aspectos da cicatrização não saíram como esperado e, devido à pandemia de Covid-19, ela não pôde realizar outra operação, desta vez reparadora, quando gostaria. Recentemente, porém, ela voltou à mesa de cirurgia para mais um procedimento – mas esta operação não serviu para reparar a cicatriz, e sim para substituir os seios por próteses de silicone, ainda devido à displasia.

Apesar de ter retirado bastante pele na redução, o comportamento de seu organismo seguiu o mesmo. Sendo assim, após a primeira cirurgia, ela seguiu enfrentando a displasia mamária e seus sintomas desconfortáveis. “Há 23 anos existe esse momento de quatro dias a uma semana que fica nessa delicadeza porque machuca, pesa, atrapalha”, descreveu ela, ressaltando que, junto da displasia, o fato de já ter perdido familiares por câncer a fez cogitar a nova cirurgia.

Há poucos dias, portanto, ela implantou próteses de tamanho semelhante ao dos seios originais, e frisou que a importância do procedimento não está na aparência. “Não vai fazer muita diferença esteticamente falando, mas, para o meu bem-estar, vai fazer muita diferença, por isso achei válido”, pontuou a ex-atriz, ressaltando que não deve mais ter as alterações que a incomodavam ao longo do ciclo menstrual e está feliz por isso.

Veja o relato da ex-atriz abaixo:

https://www.instagram.com/p/CiNk7tkOAHH/

Displasia mamária: o que é

A displasia mamária, também conhecida como alteração funcional benigna das mamas, é um conjunto de condições que, apesar de não oferecer grandes riscos à saúde, pode influenciar muito no bem-estar de quem as enfrenta. Segundo informações do Hospital Sírio-Libanês e do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, estas alterações podem incluir problemas como o surgimento de caroços ou cistos nos seios – e, apesar disso levar frequentemente à suspeita de câncer pelos pacientes, a condição não é maligna.

A depender do tipo de displasia, a pessoa pode enfrentar sintomas como o surgimento de nódulos, inchaço dos seios, desconforto, vermelhidão ou espessamento da pele e até expulsão de secreções pelos mamilos. Apesar de não serem cancerosas, algumas destas alterações funcionais benignas das mamas podem predispor o surgimento de câncer – e, por isso, apesar de benignas, elas requerem a devida investigação médica para diagnóstico e indicação de tratamento.

Dor nos seios é um dos sintomas de displasia mamária
Lars Neumann/Getty Images/iStockphoto

Comum, a displasia mamária pode ter seus sintomas controlados com medicações analgésicas (por via oral ou local para aliviar a dor nos seios) e diuréticas (para aliviar o inchaço), além de substâncias antiestrogênicas (para aliviar as alterações ligadas à flutuação hormonal do ciclo menstrual). A depender da extensão do desconforto, tratamentos diferenciados podem ser recomendados, como no caso de Priscila.

Saúde dos seios