null: nullpx
depressão-Tasaudavel

Anticoncepcional está ligado à depressão, diz estudo; 1 tipo seria o mais perigoso

Publicado 30 Set 2016 – 07:21 PM EDT | Atualizado 20 Mar 2018 – 12:57 PM EDT
Reações
Compartilhar

Foi na década de 1960 que as mulheres passaram a usar a pílula anticoncepcional rotineiramente. Cinquenta anos depois, nós ainda estamos estudando os impactos dos contraceptivos na saúde feminina. A mais recente dessas pesquisas mostra que a droga pode estar ligada à depressão.

Anticoncepcional e depressão: como se relacionam 

O estudo dinamarquês, realizado pela Universidade de Copenhague, avaliou os dados de mais de 1 milhão de mulheres registrados em bancos de dados de saúde do país. Isso significa que os pesquisadores analisaram os prontuários de todas as mulheres do país com idade entre 15 e 34 anos, entre os anos de 2000 e 2013, exceto aquelas que tinham histórico de câncer, trombose, desordem psiquiátrica ou tratamento para infertilidade.

Risco de acordo com o tipo de anticoncepcional 

Em comparação com as mulheres que não usavam anticoncepcionais, o estudo mostrou que aquelas que utilizavam os métodos tinham mais chances de receber o diagnóstico de depressão e precisar de antidepressivos nas seguintes proporções:

  • 1,23% maior para as mulheres que usavam a pílula combinada (com estrogênio e progestagênio);
  • 1,34% maior para as mulheres que usavam pílulas apenas com progestagênio;
  • 2% maior para as mulheres que usavam adesivos cutâneos de norgestrel;
  • 1,6% maior para as mulheres que usavam anel vaginal de etonogestrel;
  • 1,4% maior para as mulheres que usavam Sistema Intrauterino de levonorgestrel.

De acordo com os responsáveis pelo estudo, a variação de risco de depressão entre os diferentes métodos contraceptivos avaliados está mais relacionada à dosagem hormonal em cada um deles que a via de administração, principalmente nos casos do anel vaginal e do adesivo. Os pesquisadores descobriram também que com o passar dos anos o risco tende a diminuir e que as adolescentes com idade entre 15 e 19 anos são as que estão em maior risco. Aquelas que usavam pílulas com estrogênio e progestagênio tinham risco de 1,8% valor que era de 2,2% para as que tomavam pílulas só com progestagênio.

Como a pílula causa depressão 

Apesar de o estudo não ter avaliado os mecanismo através dos quais os anticoncepcionais se relacionam com a depressão, os pesquisadores hipotetizam que, como mostrado anteriormente por outros estudos, os hormônios sexuais progesterona e estrogênio têm influência sobre o córtex em regiões cerebrais relacionadas com o processamento cognitivo e de emoções.

Estudos prévios já teriam mostrado, inclusive, alterações de humor e na reatividade emocional cerebral em mulheres que tomavam pílula e tinham vivido experiências emocionais conturbadas anteriormente.

Além disso, eles citam a ação da progesterona, que seria capaz de, indiretamente, degradar a serotonina - hormônio relacionado ao bem-estar – causando depressão e irritabilidade.

Pílula anticoncepcional

Reações
Compartilhar

Mais conteúdo de interesse