null: nullpx
bem-estar-Tasaudavel

Alívio de dores, memória e mais: orgasmo beneficia a saúde de 5 formas diferentes

Sensação é benéfica para o corpo para além do bem-estar e do relaxamento
Publicado 25 Ago 2022 – 03:12 PM EDT | Atualizado 25 Ago 2022 – 03:12 PM EDT
Compartilhar
Default image alt
Orgasmo faz bem á saúde e vai além do prazer Crédito: RicardoImagen/iStock

Sentir um orgamo é muito mais que uma ótima forma de relaxar. Apesar de parecer redundante dizer que a sensação "faz bem", muitas pessoas não sabem que ele pode ir muito além do prazer, promovendo uma série de benefícios para a saúde. Combater a insônia, auxiliar no alívio de dores e ajudar na fixação da memória são alguns deles. Veja mais a seguir!

Ajuda a aliviar dores

De acordo com a ginecologista Andrea Cronemberger Rufino, membro da Comissão Nacional Especializada em Sexologia da Febrasgo, o orgasmo induz a liberação da ocitocina, neurotransmissor chave na manifestação do comportamento sexual.

É um dos grandes responsáveis pela criação do vínculo e também desempenha papel na analgesia e alívio da dor. A liberação dela durante o orgasmo faz com que ela seja “injetada” tanto na medula espinhal quanto no sangue, inibindo a sensibilidade a sensações dolorosas.


"Como o hormônio é liberado durante o orgasmo, pode haver melhora de sintomas dolorosos neste contexto", explica a especialista.

Orgasmo ajuda a dormir melhor

A ocitocina também aumenta a sensação de tranquilidade, auxiliando a acalmar o sistema nervoso, criando assim um cenário biológico ideal para a produção da melatonina, hormônio do sono, proporcionando um sono reparador.

Fortalecimento de laços

Além disso, a ocitocina liberada no orgasmo também é conhecida como "droga do amor", justamente por promover a sensação de conexão entre as pessoas. O hormônio é responsável pelas boas sensações perante toques físicos e também sons agradáveis.


"Ela desempenha um papel importante nos processos relacionados aos estágios da paixão romântica. Isso acontece porque ela acalma o organismo e ajuda os sistemas a voltarem à homeostase, ou seja, a sua estabilidade natural", ressalta.

Assim, ela pode auxiliar no alívio do estresse e da ansiedade, já que o corpo entra em um estado de “deleite” ao lado da outra pessoa.

Auxilia a fixação da memória

Além da ocitocina, o orgasmo induz a liberação de mais uma série de hormônios, como a noradrenalina, prolactina e dopamina.

Essa última é uma das grandes responsáveis pelo trabalho da memória. Ela estimula a produção de uma proteína chamada Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro, que instiga a fixação das lembranças.


"A dopamina é conhecida como uma facilitadora da memória associativa, ou seja, a que precisamos nos esforçar para aprender, sendo essencial para o aprendizado", acrescenta a especialista.

Orgasmo pode ajudar a aumentar a imunidade

A especialista destaca que alguns estudos experimentais apontaram o aumento do número de leucócitos no organismo dos voluntários que foram orientados a se masturbar até o clímax e tiveram o sangue coletado posteriormente.

Isso pode significar que a excitação sexual ajuda na imunidade. Mas ela ressalta que as análises ainda não foram tão aprofundadas.


Além disso, a ocitocina liberada após o orgasmo também pode estar relacionada à melhora da imunidade.

"As pesquisas sobre interações entre os efeitos da resposta imune e sexualidade apontam que a ocitocina reduz o nível de citocinas pró-inflamatórias no sistema nervoso e regula o sistema imunológico", explica Andrea.

Orgasmo: informações importantes

Compartilhar

Mais conteúdo de interesse